Educação Pública

"A Educação, o Conhecimento e a Sociedade."

A educação na visão dos estudiosos é necessária para a sociabilização e adequação do indivíduo à sociedade ou aos grupos desta. Para eles, a sociedade necessita de uma educação com índices satisfatórios de pessoas movimentando a máquina do ensino público e 100% dos indivíduos da sociedade beneficiados.

Mas, reflitamos... De fato, do que necessita o indivíduo para sua vida em sociedade?

Qual a importância real da educação para a sociedade?

Seria educação o nome correto para o que se deve ensinar nas escolas?

O que de fato significa a palavra educação?

E qual contribuição a sociedade necessita e espera do indivíduo?

É desejo de todos os professores que seus alunos realmente aprendam e tenham conhecimento ou deseja-se que fiquem ali na coluna do meio, como medíocres, se sobressaindo apenas aqueles que não se puder impedir?

Qual a importância da sociedade para o indivíduo e qual a importância do indivíduo para a sociedade?

A educação é necessária para a sobrevivência do indivíduo ou da sociedade?

E quem não conseguir acompanhar o ritmo de ensino ditado pelos educadores deve ficar a mercê da sorte e do destino, fazer o mais simples dos trabalhos e receber um salário mínimo?

A educação deve ser um meio de beneficiar os mais capazes e marginalizar os menos capazes?

Respostas para estas perguntas são necessárias para uma definição do que é e do que se quer com a educação...

O Michaelis - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa em um de seus itens, conceitua a educação como:

“Arte de ensinar e adestrar os animais domésticos para os serviços que deles se exigem.”
Isso é o que mais se tem aplicado, principalmente no ensino fundamental e médio: “A arte de ensinar e adestrar”.

Os pais não sabem e não vêm cumprindo seus papeis na educação dos filhos, talvez seja porque também foram mal educados.

Ao professor tem-se destinado toda a carga. Os professores ficam incumbidos de adestrar, educar e ensinar, quando deveriam transmitir informações e conhecimento.

A Transmissão de Conhecimento deve ser o único papel da escola...

Na visão da maioria dos estudiosos, a educação que se adquire ou se deve adquirir na escola é aquela que será responsável pela manutenção e perpetuação a partir da transferência, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou na sociedade.

Estão enganados, pois essa educação é responsabilidade dos pais...

Na escola o individuo deve adquirir conhecimento, discutir idéias, entender a democracia e seu papel de cidadão, além de seus direitos e deveres, que deverá suportar quando adulto.

A escola deve ser usada tão somente para ensinar as regras de convivência na sociedade e para a transferência do conhecimento de ofícios de geração para geração de acordo com o dom, desejo e aptidão de cada um, pois é este conhecimento que mantém a sociedade.

A educação como meio de adestramento foi feito aos animais que não falam a língua dos humanos.

Aos humanos, nas escolas deve-se transmitir as regras de convivência em sociedade e as punições pela não observância das regras(leis), seguindo com a transmissão de conhecimento de matemática, português, história, geografia e outras matérias como educação sexual, etc. e, posteriormente a transmissão da arte dos ofícios para que cada um possa trabalhar e dignamente, viver com o suor de seu rosto.

A transferência de tal conhecimento não pode ser uma mercadoria como no mundo todo vem ocorrendo, pois o benefício pela transferência do conhecimento e oficio não é do individuo isolado como se acredita e se tem pregado, e sim da sociedade. Ninguém deve se formar em medicina para se ter um bom salário e sim para salvar vidas. Ninguém pode correr desesperadamente atrás de um diploma para não morrer de fome, e sim, buscar adquirir conhecimento de acordo com suas aptidões para servir a sua sociedade.

É dever do estado garantir a “educação”, ou melhor, garantir a transferência de conhecimentos para o desenvolvimento de aptidão e habilidade na execução de um ofício a todos os indivíduos da sociedade. E isso não por que se deve respeitar a dignidade da pessoa humana e blá, blá, blá... blá, blá, blá... Mas porque a subsistência da sociedade disso necessita e nisso consiste.

Educação não deve sequer ser motivo de propagandas, pois não passa da obrigação do Estado (da sociedade) que esta seja de qualidade, sem a necessidade de governantes contarem vantagem quando a melhoram. Mesmo porque, quando qualquer governante alguma coisa faz, não faz nada além de sua obrigação, como previsto na lei. Aliás, os governantes nunca cumprem fielmente a lei e estão sempre em dívida.

Já dos professores só se pode exigir a transferência do conhecimento, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, como a Constituição Federal estabelece em seu artigo 205. O que se vê hoje são professores como verdadeiros adestradores de pessoas e o estado fazendo o papel de babá.

 

A principal meta da escola deve ser preparar as crianças e adolescentes para a convivência em sociedade quando adultos, garantindo unicamente que tenham a oportunidade de serem cidadãos e de exercerem uma profissão, de acordo com a própria escolha e aptidão. Paralelamente, a principal meta dos pais deve ser a de preparar seus filhos para a vida, ensinando-lhes o respeito e amor ao próximo.

A constituição da república de 1988, sabiamente disse isso no artigo 205: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.” 

Para isso se tornar realidade deve acontecer o envolvimento de todos: pais enquanto educadores e professores enquanto transmissores de conhecimento e transmissores da arte de ofícios, e o estado, simplesmente um criador de regras, aplicador de punições aos infratores, e proporcionador de "bem estar social" de acordo com os impostos arrecadados.

Só assim a “Educação” irá atingir a qualidade que se necessita numa sociedade democrática.

AS ESCOLAS DEVEM SEGUIR UM PLANO DE ENSINO UNIFORME, QUE DEVERÁ SER SEGUIDO POR TODAS AS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES, E, NOS VESTIBULARES DEVERÃO SER COBRADAS AS MATÉRIAS NO LIMITE DOS PLANOS DE ENSINO.

O QUE SE VÊ ATUALMENTE É UM ENSINO COMPLEXO E INACESSÍVEL, QUE PARECE NÃO TER OUTRO OBJETIVO SENÃO DIFICULTAR O ACESSO AO CONHECIMENTO.

O QUE SE VÊ ATUALMENTE NÃO É AVALIAÇÃO, E SIM A DIFICULTAÇÃO DE ACESSO AO CONHECIMENTO E UM DISFARÇADO MEIO DE MARGINALIZAÇÃO.

No Brasil, a Constituição de 1988 no artigo 210, sabiamente previu a uniformização de conteúdo, dizendo que “serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais.” Em desobediência à uniformização, é comum alguns estados oferecerem um ensino de melhor qualidade e se desenvolverem mais do que outros.

E ninguém percebe a gravidade desta atitude e de se prorrogar a uniformização.

O Ministério da Educação gasta uma fortuna com a educação, adquirindo material didático por valores absurdos, quando uma equipe própria poderia desenvolvê-lo.

Governantes que sequer cumprem o dever previsto em lei são aplaudidos por uma sociedade, que não teve a educação adequada, que é o conhecimento da verdadeira democracia e da verdadeira forma de se exercer a cidadania.

Há reclamações infundadas, sobre baixos salários, etc.; mas o fato é que os próprios professores ou pelo menos a maioria, não conhecem o funcionamento do estado e da democracia, e não sabem sequer, pleitear alguma coisa nos termos e com fundamentos democráticos.

 

 

Veja como é a Educação e a Legislação brasileira:

No Brasil, a educação foi prevista na Constituição Federal de 1988 que fala sobre a Educação do artigo 205 ao 214 e em diversos outros artigos, além de outras leis infraconstitucionais que regulamentam, protegem e garantem educação ao povo, como a LEI Nº 8069, Lei 4024 (LDB), Lei 5692 e 9394, Lei 9424, Lei 11494, Lei 10172 e a Lei 11738/2008(Piso Salarial dos profissionais da educação).

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação a educação no Brasil se divide em:
• Educação Infantil
• Ensino Fundamental | Anos Iniciais do Ensino Fundamental | Anos Finais do
• Ensino Fundamental
• Ensino Médio
• Educação de Jovens e Adultos
• Ensino Técnico | Pós Médio
• Tecnólogo
• Ensino Superior | Graduação
• Pós-Graduação | Especialização
• Mestrado
• Doutorado
• Pós-Doutorado

A CONSTITUIÇÃO GARANTE A TODOS O ACESSO À EDUCAÇÃO CONFORME OS ARTIGOS ABAIXO:

O Artigo 6º menciona a educação como um direito social.

Artigo 23, inciso VI diz: “É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência;”

Artigo 205: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.”

Artigo 208, inciso V: “O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um;”

Artigo 211, § 1º “A União organizará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, financiará as instituições de ensino públicas federais e exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e supletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades educacionais e padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.

A hipocrisia e discriminação social e governamental mantém a sociedade na mesmice, e, enquanto os que governam fingem não enxergar os problemas, o povo não sai do lugar e somente os governantes levam vantagens.

Somando a falta de conscientização sobre democracia, a falta de conscientização sobre a importância de se preservar o meio ambiente, a falta de conscientização sobre o simples significado das palavras estado e coisa pública, tem-se o resultado de uma sociedade que caminha sem destino e com um futuro incerto.

O que se chama de educação e se vê na sociedade atual deveria ser informações diretas e claras sobre o meio ambiente, o respeito ao próximo, o funcionamento do estado, os direitos e deveres de cada um na sociedade e o papel de cada um enquanto cidadão, e por fim a forma de se exercer a cidadania, fiscalizar e controlar os atos públicos.

A educação, o conhecimento, os direitos, os deveres e as punições pela inobservância das leis na sociedade atual não passam de hipocrisia, pois a lei existe de forma capenga e só é cumprida como bem entendem, aqueles, que representando o povo detém o poder.

Este poder que é do povo; deveria de fato ser exercido pelos membros da sociedade para destituir do poder, os representantes que não agem em defesa de seus interesses e necessidades, o que não acontece porque a maioria dos membros da sociedade, sequer sabe que detém o poder, pois na escola foram educados, ao invés de terem lá, adquirido conhecimento.

Se a maioria dos membros da sociedade soubesse exercer o seu papel de cidadão, mazelas não existiriam por décadas e séculos como vem acontecendo. Eis aqui a primeira falha da educação: Falta esclarecer o cidadão sobre seus direitos, deveres e poderes enquanto cidadão...

A educação caminha diferente do que prescreve a própria lei, mas, tomara que em breve, mude de direção, o que por certo somente acontecerá, quando as pessoas realmente adquirir conhecimento e aprender a refletir, ao invés de serem educadas...

Que este artigo seja útil à sociedade, em especial a pais e educadores.

APOIO



PATROCINE, ANUNCIANDO AQUI!